Orientação partidária do Você Fiscal
Sobre afirmações feitas pelo Delegado Protógenes Queiroz e outras coisas

22 October 2014

Têm circulado na Internet posts, no Twitter e no Facebook, do candidato Delegado Protógenes Queiroz, com denúncias de fraude eleitoral.

Levantar suspeitas sobre a possibilidade de fraudes eleitorais é um direito de todos os candidatos e também de todos os eleitores.

Porém, ao mencionar o Prof. Diego Aranha e o projeto Você Fiscal em seu tweet “O prof Diego da UNICAMP fala das fraudes das urnas eletrônicas nesse 2º turno. Tem um esquema rolando no RJ”, o Delegado deu a entender que o professor tivesse encontrado fraudes nas urnas eletrônicas que poderiam confirmar sua denúncia.

Isso é falso: nem o Prof. Diego Aranha nem o Projeto Você Fiscal jamais afirmaram ter encontrado alguma fraude. O que a equipe da UnB coordenada pelo professor revelou nos testes realizados pelo TSE foram falhas de segurança que abrem brechas para fraudes eleitorais. Tudo o que falamos até agora diz respeito a falta de transparência, falhas de segurança, defeitos de projeto e vulnerabilidades que comprometem a segurança do processo eleitoral.

Alertamos, para que as fraudes sejam prevenidas: jamais afirmamos (até o momento) tê-las encontrado. (E caso nenhuma seja encontrada, vale lembrar, isso não quer dizer muito.)

Orientação partidária

O Projeto Você Fiscal é uma iniciativa independente, acadêmica, apartidária e sem ligação com nenhuma empresa ou grupo. O mesmo vale para o posicionamento dos seus membros sobre quaisquer assuntos relacionados à votação eletrônica.

Qualquer insinuação do contrário é incorreta.

Candidatos, partidos, empresas e todos os cidadãos são bem-vindos a divulgar o Você Fiscal, participar da fiscalização coletiva conosco e levantar o debate sobre a falta de transparência eleitoral. Acreditamos que é um tema que toca à toda a sociedade, e deve ser discutido em todas as suas esferas.

Nosso compromisso, porém, é com a análise técnica e aperfeiçoamento do sistema de votação eletrônica usado no Brasil e com a adoção de um modelo de voto publicamente auditável.

O primeiro passo nessa direção é a fiscalização do Boletim de Urna, uma das poucas partes do processo eleitoral que é publicamente auditável. Não temos equipe para, e nunca nos comprometemos a investigar todas as denúncias de fraudes que são divulgadas. Não damos parecer ou opinião sobre denúncias que não estejam ligadas à análise dos dados de BUs enviados pelos fiscais de todo o Brasil.

Nossos esforços este ano serão dirigidos à conscientização sobre a necessidade de fiscalização cidadã e à auditoria coletiva dos Boletins de Urna.

Esclarecemos, portanto, que o Você Fiscal não confirma, nega, nem deve ser associado a denúncias de fraude exceto se algum posicionamento for publicado oficialmente pelo projeto neste blog (o que ainda não aconteceu).

Os dados dos BUs são abertos para pesquisa independente e consulta pública: https://github.com/vocefiscal/vocefiscal-backend. Não faremos análise relativa a denúncias específicas, mas se encontrarmos qualquer divergência, em qualquer cidade que seja, ela será publicada e divulgada. Paralelamente, todos estão livres para fazer suas próprias análises na base de dados e tirarem suas próprias conclusões (não queremos confiança cega nem no TSE, nem em nós mesmos).

E, acima de qualquer discussão partidária, convidamos todos a fiscalizarem conosco este 2º turno, dia 26 de outubro. Obrigado!

Cordialmente,
Equipe Você Fiscal

Compartilhe no: Facebook | Twitter | Google+




blog comments powered by Disqus